Geração 50+

Aos 60 anos, lança single e prepara álbum para 2021

Divulgação_neiampb
Divulgação_neiampb

Com clima de superprodução, single foi produzido durante o período de isolamento social 

 

Aposentar-se não costuma ser uma mudança fácil e configurar uma nova rotina na faixa dos 60-70 anos exige  coragem e otimismo, já que, culturalmente, temos a ideia de que essa é uma fase de descanso e curtição, sem compromissos profissionais. Por outro lado, com o aumento da expectativa de vida do brasileiro, é cada vez mais comum o interesse de idosos em novas carreiras. 

Aos 60 anos, aposentada, e prestes a lançar o seu primeiro álbum, a história de Oneilde Neves, ou simplesmente Néia, trafega por um universo que está bem longe do recolhimento. Após 35 anos de dedicação ao serviço público, sendo os últimos 26 anos no Tribunal de Contas da União, assessorando Ministros, a pedagoga de formação se deparou com uma habilidade com que nunca havia flertado antes: a música. 

 “Eu era auditora federal realizada” – explica Néia – “Em 2017 entrei numa escola de música. Eu só pensava em melhorar a voz através das técnicas vocais para cantar canções de artistas famosos. De repente, fui tomada pela minha própria criação. Compus a primeira música.  Professores e demais profissionais da área começaram a dizer que eu tinha potencial vocal, voz bonita, afinada, vibrante. Houve insistência para que eu gravasse minhas composições. Estudei, aprimorei minha voz e agora estou prestes a lançar meu primeiro álbum”. 

 Com traços marcantes e postura elegante, Néia confessa que sofreu preconceito ao assumir a nova carreira, segundo ela, trafegar na contramão da imagem do idoso de antigamente causou estranheza inclusive no núcleo familiar. “Eu tive rejeição de minha família. Com exceção de alguns irmãos que me apoiaram – Explica, Néia – Alguns familiares mais próximos se afastaram de mim. Questionavam como uma mulher de mais de cinquenta anos que nunca cantou queria adentrar o mundo da música e construir uma carreira artística. De fato, eu nunca tive voz, até aquele momento. O preconceito e a desaprovação me fizeram mais forte e me estimularam a estudar”. 

“Quero” é a faixa de estreia de Néia, um samba-rap moderno que traz a atmosfera do feminino, da conscientização e do descobrimento de uma força interna. Gravada durante o período de isolamento social, a música possui rima e melodia fáceis e ainda conta com um videoclipe contemporâneo – “Para compor essa faixa, me inspirei nos meus anseios de humanidade. A igualdade, luminosidade na forma de ver o mundo, de pensar, de sentir. Para alcançar esse grande objetivo, é necessário começar pelas pequenas atitudes. O querer fugir da pandemia é um dos anseios, mas é muito mais do que isso: é evitar tudo que nos separa uns dos outros” – pontua a artista.  

  

Produzida pelo experiente Alan Pinho, que já atuou com artistas como Mallu Magalhães, Mariana Aydar, Orlando Morais, Maskavo, Zélia Duncan entre outros, a faixa estreia no dia 10 de dezembro nas principais plataformas digitais do gênero. 

“Começar uma nova carreira aos 60 anos foi uma surpresa. Eu nunca soube que tinha voz. Continuo surpresa. Meu coração fez uma experiência e não retroage. Eu tive contato com a arte em busca de minha completude. Eu quis ganhar visão de mundo. Eu comecei a pensar em outras possibilidades de ser feliz. Para mim a música tem sido uma caminhada transformadora. Agora tenho sonhos. Confio em minha voz. Confio em meu coração. Eu gosto de saborear a minha voz” – Finaliza Néia. 

Videoclipe https://youtu.be/sVoPyPWSTB8  

www.neiampb.com 

 

 

Matéria publicada na edição 54 do Guia da 3ª Idade