Geração 50+ Informe Saúde

Encarando os desafios da idade… vivendo esta transformação

© divulgação bayer
© divulgação bayer

“Mais ativos do que nunca, homens e mulheres com mais de 55 anos não só vivem mais, como vivem melhor”

Pesquisa Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – SP em parceria com a Bayer

Em parceria com a Bayer, a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) – SP fez um levantamento com homens e mulheres acima de 55 anos, que revela como idosos encaram o avanço da idade.

A pesquisa foi realizada em 10 capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Brasília, Goiânia, Salvador, Recife e Belém.

Participaram 2.000 homens e mulheres, na  faixa etária acima dos 55 anos.

O resultado mostra que 63% deles pensam no assunto e mais da metade não se sentem velhos.

O significado de 3ª Idade vem sendo redefinido com o aumento da expectativa de  vida das pessoas, fomentando uma transição demográfica jamais vista na história da Humanidade e que tem como principais responsáveis o desenvolvimento econômico e os avanços tecnológicos,  principalmente na medicina e no saneamento básico.

No evento de apresentação da pesquisa, a  dra. Maisa Kairalla, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – São Paulo explica que “envelhecer é uma conquista da sociedade”. E evitar o isolamento é muito importante para uma 3ª idade longa, feliz, saudável. Estudos da Universidade de Harvard (EUA), apontam que os laços sociais construídos ao longo da vida são os mais importantes para o envelhecimento saudável de  uma pessoa, mais do que status social, educação,…

Ainda é comum os olhos da sociedade se voltarem para a velhice com preconceitos e rótulos que não representam mais essa parcela  de nossa população. Mesmo que o envelhecimento faça parte de um processo natural do ser humano, que tem início desde o nascimento, ele ainda é acompanhado por estigmas que precisam ser quebrados.

A pesquisa SBGG/Bayer identificou que economicamente ativos, socialmente engajados, esse público anseia por um envelhecimento mais saudável e melhor qualidade de vida.

Para tanto

© Guia da 3a Idade
© Guia da 3a Idade

24% visitam o médico

23% se alimentam de maneira adequada

17% praticam exercícios regularmente.

As boas práticas não se limitam ao plano físico, entre os entrevistados a saúde mental também é observada:

76% leem ou praticam alguma atividade que desafie o cérebro

64% frequentam eventos sociais semanalmente

Apesar de 62% ter alguma doença crônica e 65% fazer uso de medicamentos, 64% se consideram saudáveis.

Entre as questões que afligem essa geração

29% cita a solidão,

21% a incapacidade de enxergar ou se locomover

18% o desenvolvimento de doenças graves

© divulgação bayer
© divulgação bayer

A dra. Maisa Kairalla prossegue:

Levando em consideração que a população idosa brasileira triplicará até 2050, chegando a mais de 66 milhões de pessoas segundo o IBGE, é fundamental ter atenção quando o assunto é o envelhecimento ativo e saudável. O idoso precisa ser autônomo, independente e praticar atividades  que tragam propósito ao seu dia-a-dia.

Envelhecimento ativo e saudável

Novos hábitos comportamentais são responsáveis pelas mudanças na estrutura populacional do país, desde a prevenção de doenças crônicas (obesidade, hipertensão e diabetes).

Por sua vez, os avanços da medicina em relação ao controle da saúde por meio de drogas mais efetivas e procedimentos inovadores, possibilitam manter a qualidade de  vida da nova geração de idosos.

Na pesquisa da SBGG/Bayer, as atividades mais frequentemente citadas para alcançar o envelhecimento saudável foram:

Visita ao médico com frequência

37% uma vez por ano

51% mais de uma  vez por ano

Prática semanal de exercícios físicos

38% uma a duas vezes

22% três a quatro vezes

12% mais de quatro vezes

36% tem matrícula em academia

Alimentação saudável

68% dos entrevistados se alimenta de maneira saudável

A dra. Marília Kairalla é coordenadora  do  Ambulatório de Transição de Cuidados da Disciplina de Geriatria e Gerontologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e presidente da Sociedade Brasileira de  Geriatria e Gerontologia (SBGG) Seccional São Paulo

O evento contou com a participação do dr. Alexandre Kalache, presidente do Centro Internacional de Longevidade Brasil e que por 14 anos dirigiu o Programa Global de Envelhecimento e Saúde da Organização Mundial de Saúde.

Ele destacou os quatro capitais para viver mais tempo e melhor: social, conhecimento, financeiro e saúde.

A pessoa que ao longo de seu curso de vida toma medidas para prevenir doenças crônicas terá sem dúvida um melhor envelhecer. Terá acumulado o capital de saúde tão importante para a qualidade de vida na medida que envelhecemos. Quanto mais cedo começar a tomá-las, melhor – mas nunca é tarde demais.”

No entanto, o processo de  envelhecimento muitas vezes é acompanhado de enfermidades. Diferentemente do que acontecia há 20, 30 anos, métodos de diagnóstico precoce e tratamentos adequados fazem  então toda diferença. Um diagnóstico de diabetes não é mais sinônimo de cegueira ou de insuficiência renal – desde que as intervenções sejam disponibilizadas a este paciente a tempo, com a segurança que o conhecimento médico hoje permite”.

A Revolução das 7 Mulheres

A jornalista e escritora Márcia Neder trouxe ao evento experiências próprias com relação à maturidade narradas no livro “A Revolução das 7 Mulheres, um perfil da Geração 50+, que está reivindicando e reinventado a maturidade.

A autora por 30 anos acompanhou a gigantesca transformação da condição da mulher no Brasil e no mundo nas últimas décadas, dirigindo importantes revistas. Convivendo com milhões de leitoras e internautas, adquiriu um extraordinário conhecimento que começa a levar para os livros.

Veja a resenha do livros no Guia da 3ª Idade #16

© divulgação bayer
© divulgação bayer

Marília Gabriela

A jornalista, apresentadora, escritora e atriz Marília Gabriela fez um relato sobre a vida depois dos 60 anos e a visão que tem de si mesma nesta fase, sem se deixar cair nos estereótipos da idade, lembrando que “envelhecer é um privilégio por não ter morrido cedo”, é preciso ter saúde e ter-se preparado a vida toda.

Assim “quando a velhice chega, a gente nem percebe”.

A partir de março próximo, ela deverá estrear um espetáculo teatral em São Paulo.

Até pouco tempo atrás, chegar à 3ª idade era motivo de preocupação para muitas pessoas. Entretanto, essa perspectiva tem mudado positivamente e, chegar à maturidade aos 50, 60, 70, 80, 90, …anos , tem sido uma prova de que a 3ª idade tornou-se o começo de um novo ciclo repleto de descobertas e aprendizado.

Bayer, ciência para uma vida melhor

A Bayer é um empresa global  focada em Ciências da Vida nas áreas de cuidados com a saúde humana e animal e agricultura, desenvolvidos para beneficiar pessoas e melhorar sua qualidade de vida. Também trabalha para criar valor por meio da inovação, tendo por norma os princípios do  desenvolvimento sustentável e as responsabilidades sociais e éticas de uma  empresa cidadã.

Outras informações: www.bayer.com

Sobre o autor

Guia da 3a Idade

Tudo para 3a Idade em um único lugar. Saúde, Finanças, Geração 50+, Entretenimento e Diversão, Moradia, Agenda, Produtos, Guia de Viagem e muito mais.