Em outras palavras

Cora Coralina

© armazém de criativos
© armazém de criativos

assim eu vejo a vida
A vida tem duas faces:
Positiva e negativa

O passado foi duro
mas deixou o seu legado

Saber viver é a grande sabedoria

Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.

Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo

Aprendi a viver.

Cora Coralina

Este poema, inédito em livro, foi publicado pelo jornal “Folha de São Paulo” — caderno “Folha Ilustrada”, edição de 04/07/2001 Cora Coralina – pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas – publicou seu primeiro livro aos 75 anos de idade. Cursou apenas até o terceiro ano primário.

Tornou-se  doceira para  criar os filhos, depois que ficou viúva. Vizinhos e amigos se encantavam com os doces cristalizados de abóbora, caju, laranja.

Aos 70 anos foi aprender datilografia para enviar suas poesias aos editores.

Vivendo sempre longe grandes centros, sua importante obra poética está focada no cotidiano do interior brasileiro, os elementos folclóricos, principalmente os becos e ruas históricas da Cidade de Goiás. Descobriu como a simplicidade pode ser o caminho para desvendar as riquezas da alma. Foi a primeira mulher a conquistar o Prêmio Juca Pato em 1983 (Intelectual do Ano)..”.. sempre nos passou a lição de coragem e otimismo”, diz sua filha caçula Vicência  Brêtas Tahan, autora do livro biográfico “Cora Coragem Cora Poesia”.

Sobre o autor

Guia da 3a Idade

Tudo para 3a Idade em um único lugar. Saúde, Finanças, Geração 50+, Entretenimento e Diversão, Moradia, Agenda, Produtos, Guia de Viagem e muito mais.